inescburg@yahoo.com.br

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

VII CONGRESO INTERNACIONAL DE AGROECOLOGÍA



Organizan:
Instituto de Sociología y Estudios Campesinos (ISEC) – Universidad de Córdoba
Grupo de Investigación en Economía Ecolóxica e Agroecoloxía – Universidad de Vigo
Observatorio de Soberanía Alimentaria y Agroecología (OSALA)
AGROECOLOGÍA Y SOBERANÍA ALIMENTARIA:
(re)politizando los sistemas agroalimentarios
Tiempos de crisis ambientales, políticas y sociales. Tiempos donde la alimentación, las tierras y la biodiversidad es acaparada y gobernada por un mercado globalizado. La agroecología, como paradigma científico y como filosofía de acción, pertenece al campo de las alternativas para construir otros mundos: más sostenibles, más justos, más próximos a una soberanía alimentaria.
Por eso la agroecología no puede ser solo una técnica o un método de producción a intensificar. Tampoco puede encerrarse en un sello de certificación para mercados y consumos llamados “ecológicos”. Sin embargo, el concepto de “agroecología” empieza a ser cooptado por organizaciones internacionales, instituciones académicas y políticas públicas que lo utilizan sin alterar el marco (insustentable) de la “globalización alimentaria”. Se pierde su contenido profundo (social, ambiental, político). Se asume como un proceso técnico y de gestión de nuevos mercados agroalimentarios. En las revistas científicas la “agroecología” empieza a ser encerrada en una visión parcial y cada vez más purificada desde la “objetividad” y la “neutralidad”. La “agroecología científica” se hace cada vez más autorreferencial y alejada de los procesos socioambientales en los que se pelea para defender la vida frente a la agricultura expoliadora del capitalismo.
Por eso, tenemos una necesidad de repolitizar la agroecología, de reivindicar la toma de partido en la lucha por la vida desde procesos colectivos, emancipadores y sustentables. Reivindicar las rebeldías frente a la globalización de hambrunas y malnutriciones, la concentración de poder en manos de las transnacionales, los ecocidios y los epistemicidios. Reivindicamos por ello las luchas por el territorio, la demanda de una soberanía alimentaria, el derecho a la alimentación, tal y como realizan movimientos sociales campesinos, indígenas o aquellas redes que promueven un decrecimiento con criterio de justicia global. La lógica del libre comercio neoliberal sigue provocando hambre, dolor y destrucción; la concentración de poder desde las empresas de semillas, químicos biocidas y tecnología continúan su carrera de privatización y mercantilización de la vida; el acaparamiento de tierras en todo el mundo se enfrenta a la reivindicación desde la soberanía alimentaria de una reforma agraria integral; las condiciones de trabajo en el campo de locales y migrantes sigue siendo un horror social; el poder de la gran distribución pretende apoderarse de todos los mercados; las políticas públicas siguen rindiéndose a los lobbys de la industria; las mujeres en el medio rural siguen como subalternas de la subalternidad; etc. Desde La Vía Campesina en sus diferentes momentos históricos, foros de soberanía alimentaria, Nyelení o en la actualidad desde su VII Conferencia, junto con los movimientos afines, sigue denunciando y peleando por cambiar este modelo agroalimentario, al igual que todos los colectivos y experiencias que en los distintos territorios pelean por la soberanía alimentaria y la agroecología.
Entendemos que la agroecología es, sobre todo, una visión política para la construcción de nuevas sociedades para una urgente respuesta a los problemas que nos acucian globalmente. Nuevos mundos, a escala local y en un plano global, en los que pongamos la vida en el centro. El objetivo será poner en pie procesos que cuiden y sostengan cuerpos y territorios de forma sustentable. Donde
la producción, la distribución y el consumo de alimentos sean ambientalmente sanos, socialmente justos, económicamente viables, culturalmente apropiados, completos nutricionalmente, a través de sistemas agroalimentarios relocalizados. La agroecología es política, la agroecología es el camino para la construcción de nuestras soberanías alimentarias.
Apostamos por una agroecología que desafíe las explicaciones que el propio sistema agroalimentario especulativo y globalizado nos da sobre: el hambre, la pobreza rural, la malnutrición, el cambio climático o el consumo ecológico (como nicho de mercado). Para ello hay que seguir redescubriendo, acompañando y construyendo prácticas y experiencias agroecológicas en todos los rincones del planeta, desde la agricultura campesina y la agricultura familiar hasta los modelos de consumo y las culturas alimentarias sustentables. Apoyando alternativas que nos van articulando otros mundos: desde el intercambio de semillas de variedades locales entre agricultoras, hasta la defensa de alimentos justos y sanos; pasando por sistemas de certificación apropiados, circuitos cortos sostenibles y la defensa colectiva del patrimonio agrario; creando sinergias para una agroecología política.
Porque la agroecología es autonomía, es creatividad, es procesos colectivos, es cooperación social anclada en nuestros territorios. La agroecología es ciencia, es práctica y movimiento. Es suelo, granja y sistema agroalimentario. Es movimientos sociales y políticas públicas. Y tendrá que ser feminista o no será: debe abrazar la vida y dejar de invisibilizar a las mujeres y su papel en la reproducción de la misma; romper los moldes del patriarcado y sus formas de dominación sobre la naturaleza y sobre las personas; construir espacios y prácticas de igualdad, de empoderamiento colectivo, de libertad de decisión y de nuevas formas de valorar la vida desde economías feministas y economías ecológicas.
Por todo ello, estamos imaginando este congreso agroecológico como un espacio de encuentros e intercambios. Buscamos construir sinergias y alimentar apoyos entre el mundo académico, el político, el social y el conjunto de redes que parten de iniciativas concretas: nuestros grupos de trabajo estarán compuestos por integrantes de estos mundos; lanzaremos colectivamente reflexiones políticas sobre los grandes temas que nos preocupan y sobre las alternativas que queremos ayudar a construir. Pretendemos además permear con este color agroecológico a la ciudad de Córdoba. Para disfrute de todas las que venís de fuera y para que la gente de aquí redescubra otra nueva ciudad y otro mundo posible.
Desde el comité organizador os invitamos a participar en cualquiera de las opciones que os proponemos: tanto a través de los grupos de trabajo, presentando comunicaciones o póster, asistiendo a las ponencias y mesas redondas, a los distintos talleres con colectivos y experiencias, proponiendo y/o disfrutando de las actividades agroecológicas de ocio y culturales, y en todos los casos sumando ideas que alimenten este congreso.
Os esperamos en Córdoba los días 30, 31 de mayo y 1 de junio de 2018 para compartir agroecología y también sabores, colores y calores andaluces.
¡Globalicemos la lucha, globalicemos la esperanza!
Por un mundo rural vivo.
FECHAS IMPORTANTES
Celebración del Congreso: 30, 31 de mayo y 1 de junio de 2018, Córdoba.
Lanzamiento del Congreso: 15 de octubre de 2017
Fecha límite recepción de resúmenes de comunicaciones y experiencias: 16 de febrero 2018
LENGUAS OFICIALES
Idiomas oficiales: castellano, portugués e inglés (no habrá servicio de traducción).

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

2 mil livros sobre bioconstrução, permacultura e agroecologia para baixar gratuitamente

Esta é talvez a maior biblioteca digital com os assuntos mais variados encontrados em um só lugar.
http://ciclovivo.com.br/noticia/2-mil-livros-sobre-bioconstrucao-permacultura-e-agroecologia-para-baixar-gratuitamente/

fonte:http://ciclovivo.com.br/noticia/2-mil-livros-sobre-bioconstrucao-permacultura-e-agroecologia-para-baixar-gratuitamente/

segunda-feira, 21 de agosto de 2017

quarta-feira, 19 de abril de 2017

Biodiversidade gera biodeliciosidade

Gostei do conceito que apoia produtores e os visibiliza!!!!!


COLORADO HOMENAGEIA MICROPRODUTORES – SAIBA QUEM SÃO ELES!

1135
0
colorado-microprodutores
Em 20 anos, muita coisa mudou na história da cervejaria Colorado, mas algumas continuam iguais como os ingredientes brasileiros feitos pelos mesmos Microprodutores da região de Ribeirão Preto.
Devido a essa tradição e o cuidado com a natureza, a Colorado decidiu homenagear os Microprodutores no rótulo de duas cervejas: Appia e Índica. Parte do lucro da venda desses dois rótulos exclusivos, são revertidos para os Microprodutores da Colorado.
Os homenageados são o casal produtor de rapadura, Zé e Maria e o Apicultor Zé Luiz. Juntos eles  mantém viva a cultura local e a biodiversidade. E por isso a marca criou um novo conceito de campanha:  “Biodiversidade que gera a Biodeliciosidade”
Dona Maria ajudava seu pai a fazer rapadura desde que tinha sete anos de idade, aos 14 anos ela conheceu o Zé que trabalhava no sítio do tio fazendo o mesmo doce. Aos 16 anos se casaram e resolveram fazer rapadura juntos!
colorado-microprodutores-casal-que-faz-rapaduraCasal que produz a rapadura, ingrediente usado na cerveja Índica
Seu Zé e Dona Maria ajudam a manter viva a natureza, fazendo a rapadura  de maneira consciente há mais de 40 anos. Desse amor e tradição, nasce a rapadura que é usada como ingrediente da cerveja Índica.
Outro Microprodutor homenageado foi o Zé Luis, que cuida das abelhas que fazem o mel para a Appia. Seu compromisso diário produz um mel com sabor único, feito no interior de SP.
Zé Luiz - Microprodutor da Colorado que cuida das abelhas do mel da Appia
Zé Luiz – Microprodutor da Colorado que cuida das abelhas do mel da Appia
Há 27 anos, Zé Luiz é apicultor e garante que as abelhas só fazem mel quando estão felizes.

quarta-feira, 5 de abril de 2017

Ervas e Temperos



http://www.sabordefazenda.com.br/htm/produtos/livros/index.php
Relação de Ervas e TemperosClique nos nomes para obter maiores informações
Alecrim Rosmarinus officinalisHortelã portuguesa Mentha x villosa
Alecrim macho Rosmarinus officinalisHortelã variegata Mentha suaveolens Variegata
Alecrim rasteiro Rosmarinus officinalis var. prostratusIncenso Iboza riparia
Alfavaca Ocimum gratissimumInsulina Cissus verticillata
Alfazema Lavandula officinalisJambú Acmella oleracea
Amor perfeito Viola x wittrockianaLavanda Lavandula dentata
Anador Justicia pectoralisLevante Mentha spicata
Aniseto Ocimum selloiLosna Artemisia absinthium
Arnica do mato Solidago microglossaLouro Laurus nobilis
Arruda Ruta graveolensMalva branca Pelargonium sp.
Aveloz Euphorbia tirucalliMalva cheirosa Pelargonium graveolens
Azedinha Rumex acetosaManjericão comum Ocimum basilicum
Babosa Aloe arborescensManjericão folha de alface Ocimum basilicum crispum
Babosa Aloe veraManjericão italiano Ocimum basilicum ‘Genovese’
Bálsamo Sedum praealtumManjericão italiano roxo Ocimum basilicum var. purpurascens
Boldo africano Plectranthus barbatusManjericão limão Ocimum basilicum var. citriodorum
Boldo indígena Vernonia condensataManjericão miúdo Ocimum basilicum var. minimum
Boldo miúdo Plectranthus neochilusManjericão roxinho Ocimum basilicum
Calêndula Calendula officinalis - fora de estoqueManjerona Origanum majorana
Camomila Matricaria recutitaMarcela Chamaemelum nobile
Cânfora Artemisia camphorataMelissa Melissa officinalis
Capim limão Cymbopogon citratusMenta Mentha sp.
Capuchinha Tropaeolum majusMil em rama Achillea millefolium
Carqueja Baccharis trimeraMini rosa Rosa chinensis var. semperflorens
Cavalinha Equisetum hyemaleMorango silvestre Fragaria vesca
Cebolinha comum Allium fistulosumNim Azadirachta indica
Cebolinha francesa Allium schoenoprasumNirá Allium tuberosum
Cidreira de árvore Lippia albaOra pró nóbis Pereskia aculeata
Citronela Cymbopogon nardusOrégano Origanum vulgare
Coentro Coriandrum sativumPatchouly Pogostemon patchouli
Comigo ninguém pode Dieffenbachia amoenaPeixinho Stachys byzantina
Confrei Symphytum officinalePimenta biquinho Capsicum chinense
Cúrcuma Curcuma longaPimenta caiena Capsicum annuum
Curry Helichrysum italicumPimenta dedo de moça Capsicum baccatum var. pendulum
Dente de leão Taraxacum officinalePimenta malagueta Capsicum frutescens
Endro Anethum graveolensPoejo Mentha pulegium
Erva de gato Nepeta catariaQuebra demanda Justicia gendarussa
Erva luiza Aloysia triphyllaRabo de galo Celosia argentea
Espada de são jorge Sansevieria trifasciata var. laurentiiRosela/hibisco Hibiscus sabdariffa
Estévia Stevia rebaudianaSalsa crespa Petroselinum crispum
Funcho Foeniculum vulgareSalsa libanesa Apium nodiflorum
Gengibre Zingiber officinaleSalsa lisa Petroselinum sativum
Gervão Stachytarpheta cayennensisSálvia Salvia officinalis
Guaco Mikania glomerataSegurelha Satureja montana
Guiné Petiveria alliaceaShissô Perilla frutescens var. crispa
Hortaliças variadasTomilho Thymus vulgaris
Hortelã Mentha sp.Tomilho limão Thymus x citriodorus
Hortelã branca Plectranthus sp.Trevo de quatro folhas Marsilea quadrifolia
Hortelã do norte Plectranthus amboinicusUrtiga Urtica dioica
Hortelã pimenta Mentha x piperitaVioleta perfumada Viola odorata

VI Congresso Latino-americano de Agroecologia, o X Congresso Brasileiro de Agroecologia e do V Seminário de Agroecologia do Distrito Federal e Entorno.

Atenção seguem as orientações para regularizar a situação com a ABA e se habilitar para o desconto na inscrição do Congresso.

Para pagar a anuidade ou se associar acesse: http://aba-agroecologia.org.br/…/fique-em-dia-com-sua-anui…/

Valores das inscrições para o CBA por categoria: http://agroecologia2017.com/incricoes/
Instruções para inscrição no site: http://agroecologia2017.com/instrucoes/

A submissão de trabalhos encerra dia 10/04
http://agroecologia2017.com/

sábado, 1 de abril de 2017

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

Agricultura familiar e reforma agrária são os maiores produtores de orgânicos no Brasil

Regulamentação e incentivos para o cultivo agroecológico e orgânico tiveram início em 2003. Região Sudeste é a maior produtora do país, com 333 mil hectares
por Luciano Velleda, para a RBA publicado 23/03/2017 18h33, última modificação 24/03/2017 09h44
LUCAS DUARTE DE SOUZA/RBA
Orgânicos_MST
Em 2016, MST inaugurou a loja Armazém do Campo no centro de São Paulo
São Paulo – Agricultores familiares e assentados da reforma agrária são os dois principais grupos responsáveis pelo aumento da produção de alimentos orgânicos no Brasil, que neste ano deve ultrapassar os 750 mil hectares registrados em 2016. Segundo a Coordenação de Agroecologia (Coagre) da Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo (SDC) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), no ano passado foram registradas 15,7 mil unidades com plantio orgânico no país, mais do que o dobro das 6,7 mil computadas em 2013.
“Os assentados da reforma agrária têm uma clara preferência em incentivar a produção orgânica. A ideia deles é produzir alimento com qualidade e preço acessível, não é uma visão elitista”, afirma Suiá Kafure da Rocha, especialista em políticas públicas e gestão governamental da Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário (Sead).  Segundo ela, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) está para se tornar o maior produtor de orgânicos do país, tendo como companhia a agricultura familiar. “O perfil dos agricultores familiares se encaixa com a agricultura orgânica. Junto com os assentados, são os dois pilares da revolução orgânica, é o público que mais produz.”
Criado em 2013, o Cadastro Nacional de Agricultores Orgânicos (CNPO) conta com cerca de 15 mil produtores inscritos, sendo quase 80% deles classificados como agricultores familiares. O sistema, entretanto, não permitir diferenciar quais são ligados a assentamentos da reforma agrária. “O cadastro dos produtores melhorou o acesso às informações sobre o número existente. Muitos agricultores vinham num processo de transição e adequação para a produção orgânica e agroecológica, e o aumento no número foi consequência do alcance do objetivo”, avalia a agrônoma Inês Claudete Burg, vice-presidente Regional Sul da Associação Brasileira de Agroecologia (ABA).
Além dos assentados e dos agricultores familiares, completam o perfil dos produtores de alimentos orgânicos no Brasil os integrantes de ecovilas, normalmente formadas por jovens urbanos que vão para o meio rural, e a agricultura urbana e periurbana, desenvolvida por grupos que promovem hortas urbanas. Os diferentes perfis são unidos pelo desejo da alimentação saudável, combinada com uma visão de mundo comum. “Há também o discurso de voltar à terra, contra a semente transgênica e a agricultura industrializada, uma produção muito diferente do agronegócio, que é de monocultura, degrada a terra e os recursos naturais”, explica Suiá da Rocha.
De acordo com a Coagre, a região Sudeste é a que mais produz alimentos orgânicos, totalizando 333 mil hectares e 2.729 registros de produtores no Cadastro Nacional de Produtores Orgânicos (CNPO). Na sequência estão as regiões Norte (158 mil hectares), Nordeste (118,4 mil), Centro-Oeste (101,8 mil) e Sul (37,6 mil). 

As razões do crescimento

Na opinião da especialista em políticas públicas e gestão governamental da Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário (Sead), a explicação do grande aumento da produção de alimentos orgânicos no Brasil é consequência de uma série de ações, sendo a principal a preocupação com a alimentação saudável. “O principal fator é a saúde, tanto do trabalhador rural quanto dos consumidores. Do trabalhador, pelo uso de agrotóxicos; para os produtores, há esse estímulo, e os consumidores também passaram a ter uma desconfiança dos alimentos produzidos de modo tradicional e que causam uma série de doenças”, afirma Suiá da Rocha.
Para a agrônoma Inês Claudete Burg, o aumento é fruto de um longo trabalho, tanto em relação à prestação de assistência técnica especializada, como também às conquistas de políticas públicas que incentivam a produção orgânica e agroecológica. “Os consumidores de forma geral têm sido alertados da importância do consumo de alimentos produzidos em sistemas orgânicos e agroecológicos, pelos benefícios à saúde e ao meio ambiente, contribuindo assim com o aumento do consumo e da demanda na produção e diversificação da oferta”, explica a agrônoma.
A lei 10.831/2003, sancionada ainda no primeiro mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, regulamenta a produção orgânica no país. A partir da lei, diversas ações começaram a ser colocadas em prática para estimular a produção de alimentos orgânicos, como a criação, em 2007, do Sistema Brasileiro de Avaliação da Agricultura Orgânica e, principalmente, a instituição da Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica (Pnapo), em 2012, já no governo da ex-presidenta Dilma Rousseff.
No ano seguinte, o lançamento do 1º Plano Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica (Planapo 2013-2015) investiu cerca de R$ 2,5 bilhões, com 125 ações e beneficiando em torno de 600 mil agricultores. “O Plano é a concretização de muita luta e representa a articulação das diversas frentes que trabalham com a produção agroecológica e orgânica no país”, afirma a representante da Associação Brasileira de Agroecologia (ABA).
Atualmente, está em execução o 2º Plano Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica, que abrangerá o período de 2016 a 2019, com programas e ações que tem como objetivo contribuir para o aumento da oferta. A meta é alcançar até um milhão de produtores agroecológicos, com assistência técnica e extensão rural.
“Os consumidores a cada dia têm mais preocupação com a qualidade de vida e uma alimentação saudável”, analisa Suiá da Rocha, destacando a relação entre oferta e demanda, responsável por existir hoje em torno de 600 feiras semanais de produtos orgânicos no país todo, além da maior entrada dos alimentos nos mercados. “Existem várias formas de comercialização, esse produto não fica parado, inclusive falta mais oferta, porque a demanda é muito grande.”

Compra garantida

Além do crescimento das feiras e do aumento das vendas nos mercados, os grandes incentivos à produção de alimento orgânico no Brasil são o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) e o Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae). Ambos consistem em sistemas de compras institucionais do Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário (MDS) e os produtos orgânicos podem ter um acréscimo de até 30% em seu valor. O PAA é exclusivo para agricultores familiares, enquanto no Pnae esse índice é de 30%. “São programas que privilegiam a agricultura familiar e, portanto, a produção de base agroecológica”, explica Suiá da Rocha, especialista em políticas públicas e gestão governamental da Sead. “É a garantia da venda. Esses produtos vão para bancos de alimentos e pessoas com insegurança alimentar, tendo como destino creches, orfanatos, asilos, restaurantes populares.”
Apesar da importância dos dois programas no estímulo à produção de alimento orgânico no Brasil, o governo de Michel Temer efetuou um corte de 30% no orçamento de ambos para 2017, em comparação com o orçamento de 2016. “É uma pena que o PAA tenha tido um corte de 30% na lei orçamentária desse ano”, avalia Suiá da Rocha, lembrando que já havia ocorrido corte em 2015, mas o de agora foi superior. Antes de 2015, o valor investido vinha sendo maior a cada ano.

http://www.redebrasilatual.com.br/saude/2017/03/agricultura-familiar-e-reforma-agraria-sao-os-maiores-produtores-de-organicos-no-brasil